9 de mar de 2015

Post especial em comemoração ao dia da Mulher (Entrevista)

 Em homenagem a todas mulheres que conheço, que me acompanham nas redes sociais e até mesmo aquelas que nunca vi na vida, decidi fazer uma entrevista relembrando essa data tão especial e marcante.
 Selecionei algumas mulheres que conheço para responderem algumas perguntinhas que fiz, então vamos lá...
  •  O que você achou do ocorrido naquela época, data considerada "Dia das Mulheres"?
 Eu: Achei muito triste e ao mesmo tempo muito corajoso da parte delas saírem atrás dos direitos, principalmente naquela época que era tudo tão rigoroso e tal...
 Caty: Eu achei que elas foram muito valentes, tiveram garra e conseguiram. Se não tivessem lutado, seriamos submissas até hoje.
 Carolina Ansaldi: Foi um ato de coragem, revolucionário. Agora parece absurdo, mas na época o único tipo de instrução que muitas mulheres tinham era somente voltado ao que era considerado "o papel da mulher"; naquela época era impensável que nós mulheres pudéssemos estar numa posição equivalente à do homem, em qualquer aspecto. Mostrar que existe SIM um poder feminino, mesmo sabendo que isso incomodaria muita gente, foi a mais corajosa demonstração de que aquilo estava errado e era necessário mudar.
  • Se você estivesse presente naquela época, acha que faria o mesmo que aquelas mulheres fizeram?
 Eu: Sinceramente, eu não sei. Admiro muito quem luta pelos direitos, vai atrás e participa das movimentações, porém eu não gosto de fazer parte, prefiro ficar por fora do meio, porém apoiando o que me agrada.
 Caty: Não digo que não partiria por um protesto, mas acho que sim, sem violência. Até hoje eu não deixo de procurar lutar por aquilo que quero fazer.
Carolina Ansaldi: Mesmo a igualdade não sendo plena até hoje, não consigo me imaginar numa situação onde eu não teria ao menos o direito de ir pra uma faculdade. Imagino que sentiria vontade de mostrar ao mundo que não estava satisfeita com a condição, mas não sei o quão aberta a consequências tão drásticas eu seria.
  •  O que achas do espaço que as mulheres conquistaram e ainda vem conquistando ao longo do tempo na sociedade, trabalho...?
 Eu: Eu acho ótimo, espero que ainda um dia sejamos tratadas igualmente por TODOS sem ser vitimas de machismo, preconceito e o que for... Óbvio que tem coisas exageradas que eu não concordo, que eu prefiro não comentar. Mas em relação ao trabalho eu acho muito bom, pelo que eu escuto histórias de antigamente onde não faziam questão das mulheres estudarem e terem sua vida própria, serem tratadas diferentes só por serem mulheres, coisas que infelizmente existem até hoje pelos próprios familiares.
 Caty: Muito bom, lógico que poderíamos muito mais, mas em comparação aquela época, está muito melhor. Admiro muito aquelas que não dependem de homem, conseguem criar os filhos sozinhas, fazer trabalho pesado... Aos meus olhos, todas as mulheres que lutam é pela ambição de querer fazer e dar o melhor de si, sem precisar depender de ninguém e aproveita-lá melhor, tanto como mãe, como dona de casa, empresária, enfim, nós temos capacidades de sermos muitas coisas. 
 Carolina Ansaldi: Se olharmos pra trás, vamos ver que conquistamos MUITA coisa. Acho que ainda tem muita coisa a ser mudada e, apesar de muitas questões envolverem um preconceito cultural ou que vem da educação que a pessoa recebe, creio que isso seja possível sim. Hoje em dia somos muito mais iguais em relação a direitos civis, mas acho que a questão do respeito pela mulher é uma coisa que deve ser trabalhada.
  • Se considera feminista?
 Eu: Bom, eu não gosto de me tachar como tal coisa, não gosto de rótulos, sim, tem coisas que eu realmente me considero feminista, não admito um homem ter mais direitos que eu, uma vez uma amiga chegou para mim e me disse que na casa dela o pai dela não deixava ela dirigir um carro, somente o irmão dela (que por sinal era menor de idade na época) isso realmente me deixou muito irritada, enfim...Não me considero uma Feminista até porque também não gosto do machismo, acho que se não houvessem esses rótulos e preconceitos, a sociedade estava melhor.
 Caty: Eu tenho um lado feminista, não gosto de depender de nenhum homem fazer o que eu quero fazer, meu trabalho, enfim... Não gosto de depender de ninguém. Me considero um pouco feminista sim, tem coisas que não concordo mas tem outras que são cabíveis.
 Carolina Ansaldi: Um dia parei pra pensar nisso e cheguei a conclusão de que ainda tenho alguns pensamentos machistas, mas eles são muito subconscientes por causa da influência que tive em casa quando pequena. Acho que eu abri muito os olhos nesse ponto de vista e cada vez mais me considero feminista.
  • Mensagem que você gostaria de deixar para as mulheres que são desrespeitadas, impedidas, violentadas e vitimas do machismo e de outros preconceitos que existem por aí:
 Eu: A minha mensagem é, corra atrás do que te faz bem, dê o seu melhor, as oportunidades chegam e nunca aceite ser submissa, lute pelo que você quer e tenha coragem para realizar, para todas aquelas que são violentadas e desrespeitadas, o que eu tenho a dizer é: Não se intimidem, não aceite e nem se conforme com essa situação. É mais fácil dizer, eu sei, mas não é impossível de fazer. E para as que são vitimas de preconceitos, não abaixem a cabeça não, prove que eles estão errados e faça disso tudo, uma motivação.
 Caty: Sou péssima com isso, porém um conselho que eu dou é: Enxerguem o que vocês tem de melhor, valorizar aquilo que vocês tem e fazer o que sintam-se bem, larga de mão tudo aquilo que te faz mal.
 Carolina Ansaldi: Não se conformem, não abaixem a cabeça. Homens e mulheres são ambos seres humanos e devem ser tratados com o mesmo respeito.

 Esse foi o post em comemoração ao dia das mulheres, eu espero que tenham gostado, eu esperava fazer com mais pessoas, porém ocorreu imprevisto que acabou não dando de fazer com todas, agradeço a participação da Caty (minha mãe) e também da blogueira Carolina Ansaldi por terem participado da entrevista, convido vocês a conhecerem o blog dela: fuzzyroses. Beijos e até breve...

Nenhum comentário:

Postar um comentário